• Home
  • Empresa
  • Unidades de Negócio
  • Clientes
  • Notícias
  • Downloads
  • Contato
 

Notícias

Por que sua Instituição de Saúde deve procurar a certificação ONA?

735 leituras

A ONA (Organização Nacional de Acreditação) certifica a qualidade de serviços de saúde no Brasil, tendo como foco principal a segurança do paciente. Sua metodologia de avaliação atende a padrões internacionais de qualidade e segurança.

A certificação ONA pode ocorrer em três níveis:

- Nível 1- Acreditado: atendem aos critérios de segurança do paciente em todas as áreas de atividade, incluindo aspectos estruturais e assistenciais.

- Nível 2 - Acreditado Pleno: além de atender aos critérios de segurança, apresentam gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira fluida e plena comunicação entre as atividades.

- Nível 3 - Acreditado com Excelência: O princípio deste nível é a “excelência em gestão”, ou seja, atende aos níveis 1 e 2, além de demonstrar uma cultura organizacional de melhoria contínua com maturidade institucional.

No Brasil temos cerca de 500 Instituições de saúde acreditadas pela metodologia ONA, sendo estas Ambulatórios (clinicas oncológicas, clínica de vacina, ambulatórios de especialidade, entre outros), Hospitais, Atenção Domiciliar, Diagnóstico por Imagem, Hemoterapia, Laboratório, Nefrologia e Terapia Renal Substitutivas, Pronto Atendimentos, Serviços Odontológicos, Serviços de Dietoterapia e Serviços de Manipulação.

No estado do Rio Grande do Sul, apenas 20 Instituições de Saúde são certificadas pela metodologia ONA, sendo estas Ambulatórios (clinicas oncológicas e Serviço de patologia), Diagnóstico por Imagem, Hemoterapia, Hospital e Laboratórios.

Diante do cenário, podemos afirmar que a certificação ONA é um diferencial de mercado e demonstra o compromisso das Instituições de Saúde Acreditadas com a Segurança do Paciente, a gestão, a sustentabilidade da organização, bem como o potencial para inovação e melhoria contínua.

Por Flávia Soveral Miranda
Assessora Técnica EJRos Brasil

Publicado 08/11/2016 | 15h

Voltar para notícias